Sábado, 9 de Agosto de 2008

[88] Milagre !

 

 

Amigos conseguiram conectar-me à Internet , sem "router", sem telefone, sem fios, sem qualquer dos requisitos que eu pensava serem necessários para o funcionamento do "bicho" (é a minha forma carinhosa de me referir ao mostrengo...)

Vou ter limitações. A primeira é que estou numa casa em que, por causa das crianças, não se pode fumar !...As outras i-las-ei descobrindo â medida que for usando este programa.

Para já vou tentar copiar/colar o pouco que escrevi no Works enquanto esperava por esta solução. Depois logo se verá.

 

_____________________________________________________

 

Sexta, 8 de Agosto de 2008

 

Isto de estar de férias pela primeira vez desde que tenho blogs dá-me para perceber que, neste momento, estou autenticamente viciado em duas coisas : uma, que tem solução fácil, e só menciono pour mémoire, é a dependência dos muitos descafeinados que vou bebendo ao longo do dia (já quase se tornaram a minha “refeição principal”…) ; outra, que é mais complicada de resolver e mais insidiosa, é a dependência da Internet. Não por causa da pesquisa (faço pouca), mas pelos emails e pelos blogs e tudo o que lhes está associado.

Cheguei a um ponto em que quase já não sei viver sem o computador. Estou a tentar resolver o problema do acesso à Internet com a ajuda de pessoas amigas mais experientes do que eu nestas matérias, mas, no momento em

que escrevo, ainda não tenho a certeza.

 

_____________________________________________________________

 

Foi feita uma tentativa, com um programa “importado” de outro computador, mas não resultou. Amanhã a pessoa que me está a ajudar (eu não percebo o suficiente de informática para me abalançar a estas andanças) vai fazer outra tentativa, por outro processo. Entretanto, resta-me ir escrevendo isto, à espera de o passar para um futuro post em que conte as minhas desventuras de internauta falhado…

E, já agora, vou explorar as possibilidades que o computador oferece quando não se tem Internet. Por isso, paro aqui este texto, guardo-o e vou partir para outra.

 

[P.S. Domingo 10 -- No blog francês alonguei-me bastante mais sobre a dependência da blogosfera. Quem estiver interessado pode chegar lá facilmente através do link (BLOG FR.) que encontra neste blog]

 

 

________________________________________________________________________

 

Bom, afinal há uma limitação : tenho que ter ligado ao computador um pequeno aparelho (parece um telemóvel). Sem isso nada feito.

 

E agora tenho que parar, porque são horas de jantar e tenho de libertar a mesa. À noite irei ver os mails e responder ao que for necessário mais ver os posts dos amigos

Até logo.

 

 

 

 

publicado por Transdisciplinar às 20:00
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Quarta-feira, 23 de Julho de 2008

[83] José Escada

A minha intenção era seguir a "receita" da cara amiga MDOSOL : quadro + poema + música (vídeo sem imagem, a não ser em "full screen"). Mas acontece que o Sapo não aceita o "embed", só aceita o URL. De modo que emigrei para o meu blog francês, onde fiz o qe queria. Quem quiser ver o resultado pode ir lá dar uma espreitadela (transdisciplinaire.over-blog.com/).

 

Entretanto, e até para não perder todo o trabalho tido, fica aqui a reproduçao dum quadro do Escada. ( fomos amigos de juventude -- nascemos no mesmo ano -- cá e depois em Paris). Ele morreu precocemente em 1980.

 

 

 S/ título, 1965, óleo s/ tela, 38x45, col. privada.

 

 

publicado por Transdisciplinar às 10:05
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 14 de Julho de 2008

[77] Mea culpa

 

Tenho andado muito afastado. Não do computador e da blogosfera -- antes pelo contrário ! Mas deste blog. Há prioridades e urgências a considerar. Não tenho deixado de comentar as pessoas como costumava fazer. E ainda nunca deixei sem resposta um comentário quando o meu mail me avisa de que tenho um. E não deixo de ir todos os dias ao Orkut por causa da comunidade que lá criei e por ter a responsabilidade de aceitar/recusar as novas candidaturas que apareçam.

E depois uma coisa puxa outra. Por exemplo, através do perfil duma brasileira que aderiu à minha comunidade, tomei conhecimento da existência de múltiplas comunidades e inscrevi-me (já fui aceite) em duas delas, que me interessam muito particularmente.

Evidentemente tenho o meu blog francês, onde ainda estou no começo e que não posso descurar, assim como a comunidade que lá criei e que me incumbe gerir. E inscrevi-me noutras comunidades lá, para aumentar a difusão do meu blog.

Tudo isto me toma muito tempo, como devem calcular. Falta-me, assim, a disponibilidade, sobretudo mental, para me ocupar deste blog. Poderia, evidentemente, publicar as mesmas coisa cá e lá (e já o fiz com vídeos de jazz). Mas essa ideia não me agrada

Aqui fica, pois, o meu mea culpa...

 

 

publicado por Transdisciplinar às 06:29
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
Sexta-feira, 27 de Junho de 2008

[70] Retomando...

Abro o meu blog e dou-me conta de que há uma semana que não escrevo aqui.

É verdade que foi uma semana muito cheia (quem quiser ter um ideia pode ir ver a minha última resposta a um comentário de uma "amiga"no post anterior a este) e, de resto, muito cheia de computador. Só que com mails e não posts. Computador que me deu muitas chatices. Nem me atrevo a dizer os nomes que lhe chamei...

 

Mas houve um outro motivo para não escrever. É que estava expectante, a ver que reacções tinha ao que aqui escrevi sobre a transdisciplinaridade e à minha criação de uma comunidade com esse nome no programa ORKUT. Ora as respostas, aqui como lá, foram várias, mas a maior parte afinadas pelo mesmo diapasão : muito interessante, mas agora não tenho tempo, vou pensar e depois digo alguma coisa, etc., etc..Portanto neste momento o grupo confirmado é mínimo (nem justifica chamar-lhe comunidade).

Decididamente escolho mal os sítios para as minhas iniciativas. Provavelmente farei o que já fiz quanto à "cultura combinatória" (desisti de falar mais dela aqui e, no caso vertente, vou escrever um longo artigo para uma revista da especialidade.) Mas perco, com isso, aquilo que pretendia e que era ter um espaço de discussão viva de ideias, dinâmico e participado.

Na questão  da transdisciplinaridade isso custa-me particularmente porque o quadro conceptual presta-se especialmente ao tratamento muito abrangente dos mais variados assuntos, nos mais variados campos, como decorre da Carta da Arrábida (que nem sei se alguém terá tido a curiosidade de ir "espreitar"...).

Para já, já quebrei o hábito do post quase quotidiano. Assim como a consulta compulsiva dos posts alheios. Não se estranhe, pois, a minha relativa ausência da blogosfera nacional. Neste momento -- e salvo reviravolta inesperada da situação -- vou andar mais por outras bandas . (Ah, já me esquecia : criei um blog em França. Talvez por aí consiga o que não obtenho cá.)

 

Saudações blogueiras e até mais ver.

 

 

 

publicado por Transdisciplinar às 23:20
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quarta-feira, 4 de Junho de 2008

[52] Re-baldaria...

 Tomei-lhe o gosto. Ontem parei -- tinham sido muitas noitadas para a minha idade -- mas hoje retomo. Manda a verdade dizer que encorajado pelos comentários. Sem eles teria parado e voltado aos posts mais sisudos. (Não é que estes sejam hilariantes -- para isso falta-me por completo o jeito )  Mas sempre são mais "soltos".

Há bocado estava a pensar que estes me fazem lembrar o que eu chamava as "aulas selvagens", em que punha de lado o programa e, dando soltas à imaginação, discorria em debate com os alunos, sobre os temas (havia um limite : eram temas da disciplina) que me vinham à cabeça a propósito de qualquer coisa que tivesse acontecido.

Acrescente-se que esses limites eram latos. A sociologia. misturada com a epistemologia mais a veia transdisciplinar, dão para quase tudo. Sobretudo quando uma pessoa não se importa de ser classificada de marginal , ou desviante, ou excêntrica...Eram aulas muito divertidas, para mim e creio que também para os alunos (pelo menos a julgar  pelas conversas que tinha com alguns depois das aulas).

 

Chega de memórias e voltemos aos posts. Há uma coisa que me deixa espantado. É que ninguém agarrou o desafio que deixei bem expresso entre Ocidente versus Oriente, ou mais exactamente entre pensamento de uma e outra origem. Será que com esta chamada de atenção alguém se vai pronunciar sobre o assunto ? (Manda a verdade que se diga que uma das minhas "amigas" se referiu às  filosofias de vida : provavelmentene era nisso que estava a pensar.)

 

Voltando à blogosfera. É muito curioso como em pouco tempo me sinto "aconchegado" por um pequeno círculo de "amigos" que nos entre-comentamos. E não devia dizer "amigos" mas sim "amigas" porque, curiosamente, sâo só mulheres, Não que o tenha feito de propósito. P. ex. estou-me a lembrar dum caso em que pelo perfil , que era nulo, eu nem sequer sabia se era homem ou mulher ao comentar o post que levou ao estabelecimemto do "laço". Noutro caso era um homem, cujo post comentei e que me respondeu. Continuo a "espreitar" o post dele, mas nenhum de nós se sentiu inclinado a "adicionar-se".  É verdade que ultimamente deixei de percorrer posts do SAPO à balda a ver o que vem à rede. Mas lá que isto me faz pensar, faz. Talvez tenha que ver com os motivos que levavam, nos tempos áureos, algumas amigas minhas a chamarem-me "feminista honorário"...O que acharão disto as minhas "amigas" do blog ?

 

Passando à política : estou muito curioso em ver até onde vai o Manuel Alegre. E quanta rédea livre lhe deixa o partido. O meeting (por enquanto prefiro não lhe chamar outra coisa) do Tindade foi uma jogada pesada. Alegre, Roseta e Louçã (mais os restantes...) que futuro ? Segundo li, Saramago desvaloriza -- o que não é de espantar. E os que foram votantes de Alegre nas presidenciais, como estarão a reagir a estas movimentações ? Provavelmente, valerá a pena ver amanhã a entrevista de Judite de Sousa a seguir ao Telejornal.

Quanto ao PSD, só me dá vontade de rir. Nem foi preciso esperar : já cá estão as desavenças. De tão partido não há cola que lhe valha. Nem a da já avó.

 

Já chega. Vou ver um bocado de AXN para descontrair. Até amanhã-

 

 

 

publicado por Transdisciplinar às 16:35
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
Segunda-feira, 2 de Junho de 2008

[50] Continuando à balda...

A julgar  pelos   comentários, isto de andar "à balda" resulta... Estou noutra noitada (neste momento são 5,30 mais coisa menos coisa).

Mas hoje ando a remoer numa ideia. Em termos imediatos resulta de uma observação de uma "amiga".

Parentesis : é espantoso como a blogosfera passou a ter um lugar tão relevante na minha vida actual. E nem sei se será muito saudável !

Voltando à tal ideia : em palavras simples pode formular-se pela contraposição Ocidente/Oriente. Quem acaso siga o meu  blog não se espantará com esta questão, tal tem sido a minha insistência no tema do Dharma. Mas isso não evita que me interrogue sobre até onde é legítimo, apropriado, adequado, pertinente, etc, etc., abordar aqui estas matérias.  Em primeiro lugar, em termos "internos" : p.e. um budista é suposto não fazer proselitismo. Isto é : responde, se questionado, mas não faz missionarismo. Em segundo lugar, em termos "externos" : será que do que tenho dito (escrito) resultará algum esclarecimento útil para quem me lê ? 

Creio duro como ferro que do conhecimento das sabedorias orientais resultará um enriquecimento notável para as mentes ocidentais (ora aqui está uma boa ocasião para "vender" a minha cultura combinatória, agora à escala civilizacional...). Mas terei "comprador" ? E um blog será um meio oportuno para este fim ?

A Net passa por ser a via aberta para todas as mensagens. Mas como medir a sua eficácia em cada caso ? Pelos comentários ? E quem lê mas não se dá ao trabalho de comentar ? 

Retomando a díade Ocidente/Oriente, deixo um desafio a quem acaso me ler : digam-me (se quiserem, bastam duas ou três palavras) se acham que vale a pena continuar a ter nos meus temas o das filosofias de vida (não lhes chamo religiões  pelos motivos que estão claros no vídeo do meu post [48] ) orientais.

 

E agora mudando completemente de assunto : política. (É difícil fugir dele neste fim-de-semana...).

Tive uma interessante troca de ideias com Sofia Loureiro dos Santos (como ainda não aprendi a meter links nos posts resta-me indicar que o seu blog se chama "Defender o Quadrado" e a tal troca está nos comentários ao post "Manipulações" de 31 de Maio).

Coitada da Drª Ferreira Leite... No que ela se foi meter ! Mas merece que se lhe reconheça a coragem. Quando já tem idade para deixar os outros andarem a sacanear-se, vem a terreiro e afronta a tarefa de tentar pôr de pé um partido que não tem ponta por onde se lhe pegue. Quem tem razões para estar contente é Sócrates. E Manuel Alegre que lá vai fazendo as suas movimentações. Quanto a Mário Soares, continua de pedra e cal. E Cavaco Silva, não posso deixar de me espantar com o que ele aprendeu desde a Figueira da Foz -- esperava bem pior.

Quanto a Santana Lopes a única coisa de que gosto nele é continuar a usar a sigla PPD -- nunca consegui engolir que um partido daqueles se intitulasse PSD. É preciso não saber nada de História Política para aceitar o dislate...

Já agora uma sugestão : ponham os jovens a estudar (além do inglês e da informática)  um pouco de Ciências Políticas, a ver se, chegada a sua vez, fazem um pouco menos de asneiras que os mais velhos...

Por falar em jovens dou-me conta de que eu próprio caí na pecha que tanto censuro : mencionei mais os partidos do que os cidadãos (felizmente isso não aconteceu na tal troca de ideias que acima referi). Quando são os cidadãos que devem estar no cerne das nossas preocupações políticas. Os partidos, como todos os aparelhos, tendem a olhar para os seus próprios umbigos. As pessoas, para eles, são sobretudo votantes (a propósito : tens as quotas em dia ? estás recenseado ?), quando deveriam ser a  primeira e última razões da actividade dos estadistas e outros detentores de cargos políticos. E que tal  chamá-las a participar ? Há tanta coisa na "coisa pública" em que de mero objecto se pode passar a sujeito... Bastaria gastar um pouco da imaginação usada nas manobras de bastidores para criar espaços de reflexão e participação directa na resolução de problemas (políticos, pois então).

 

Também aqui um pouco de sabedoria oriental não faria mal nenhum. Porque, no fundo, é sempre de conhecimento que se trata. E a política exige uma subtileza que se enquadra muito bem nas filosofias do Extremo-Oriente.

Termino com esta nota sobre o conhecimento, no seu sentido mais lato. Porque ele é o alfa e o ómega da Vida.

 

publicado por Transdisciplinar às 05:27
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
Segunda-feira, 7 de Abril de 2008

Blogosfera e tratamento por tu

        Estive a ler um post e respectivos comentários dos quais retiro que na blogosfera todos se tratam por tu. Se assim é tenho estado a ser incorrecto com uma pessoa (que me adicionou como "amigo") que nos seus comentários me trata por tu enquanto que eu sempre a trato por você.

    Será que alguém me pode esclarecer sobre este assunto ?

    Obrigado de antemão.

publicado por Transdisciplinar às 02:09
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.links

.tags

. todas as tags

.favorito

. [32] CULTURA COMBINATÓRI...

. [30] Conhecimento

. Ainda sobre o Dharma (2)

. Ainda sobre o Dharma

. Citando...

. FRAGMENTOS PARA UM DEBATE

. CULTURA COMBINATÓRIA (2)

. CULTURA COMBINATÓRIA (1)

.posts recentes

. [88] Milagre !

. [83] José Escada

. [77] Mea culpa

. [70] Retomando...

. [52] Re-baldaria...

. [50] Continuando à balda....

. Blogosfera e tratamento p...

blogs SAPO

.subscrever feeds