Terça-feira, 8 de Janeiro de 2008

CULTURA COMBINATÓRIA (2)

CULTURA COMBINATÓRIA (2)

 

      (Venho dar continuação ao post anterior com o mesmo título, que deixei incompleto por falta de tempo.)

 

       Antes de mais, é importante salientar que o conceito (o par conceptual) em questão não nasceu de uma elucubração em gabinete fechado, mas sim da necessidade de reformular o plano de análise de um projecto de investigação-acção, à medida que a equipa se via confrontada com os resultados das primeiras entrevistas aprofundadas efectuadas com intuitos exploratórios.

    O dito projecto realizava-se no âmbito da CIVITAS (Associação para a Defesa e a Promoção dos Direitos dos Cidadãos), em articulação com a já mencionada A.R.C.!.. Como o seu próprio nome indica, a vocação primordial da CIVITAS não é a pesquisa mas sim a intervenção. Mas tem a preocupação de não agir sem o conhecimento das características dos grupos-alvo. Daí a escolha, em casos como este, de projectos de investigação-acção.
       Na ocorrência, o trabalho em causa dizia respeito à "Dinâmica dos Laços Sociais nos Jovens Africanos e Timorenses Deslocados em Portugall". A iniciativa e a coordenação geral pertenciam a Helena Cidade-Moura, Vice-Presidente da CIVITAS (e que ocupava uma das Vice-Presidências da Liga Internacional dos Direitos do Homem).

        Quanto aos laços sociais, o enquadramento teórico era proporcionado pela A.R.C.!. e era o mesmo em todos os países em que os estudos se realizavam. Já o mesmo não sucedia com os traços culturais, em que se deixava a cada equipa, em função das particularidades de cada caso, o cuidado de definir o esquema conceptual a utilizar. O "núcleo duro" da equipa - todos os membros desta participavam, embora com diferentes graus de empenhamento, no trabalho de campo, por forma a terem bem presentes as características dos grupos abrangidos pelo projecto, mas as opções mais teóricas eram deixadas a esse núcleo, em articulação com o Conselho de Investigação da CIVITAS, que eu presidia - o "núcleo duro", dizia eu, discutiu largamente diversas hipóteses nocionais.

       A opção genérica da CIVITAS em matéria de populações migrantes é a do multiculturamo (ou do interculturalismo, consoante a corrente de pensamento que se tomar como referência). Mas qualquer destas noções é demasiado genérica para servir como variável operativa num plano de análise que obedeça a exigências de adequação e pertinência consentâneas com um mínimo de rigor conceptual. Assim, procedeu-se a uma pesquisa bibliográfica incidindo sobre estudos relacionados com agregados populacionais análogos ao nosso.

      À partida, a equipa preferia não utilizar a noção de aculturação, por lhe parecer demasiado eurocêntrica, pressupondo a ideia de uma cultura dominante (no sentido marxiano do termo) - para já não falar de assimilação que é claramente "colonialista". Encontrámos outras, como, por exemplo, "cultura de urgência", "cultura de sobrevivência" ou "cultura de resistência". Sem negar que eram apelativas, pareciam-nos redutoras, relativamente ao nosso caso, além de serem demasiadamente conotativas. Surgiu-me então a ideia de sugerir a utilização de uma noção mais simplesmrnte denotativa e, assim, apresentei à equipa uma proposta escrita, devidamente fundamentada, para a adopção de algo como cultura de tipo combinatório. Esta ideia foi largamente discutida e a noção de cultura combinatória veio a servir de referência conceptual para os trabalhos do grupo.

       De tal dei conta em artigo, escrito em francês, para o Bulletin de l'ARCI,em que relatava o andamento do projecto. (Por motivos editoriais, o artigo, que era longo, saíu truncado, e só circulou em versão integral, policopiada, entre os membros da CIVITAS e algumas pessoas próximas.)

    Mais tarde vim a desenvolver o conceito, acoplei-Ihe o outro termo da díade que apresentei no post que antecedeu este, e tomei muitas notas sobre as suas aplicações e especificações em diversas situações em que me parece apropriada a utilização deste par conceptual. Mas acabei por nunca publicar um artigo sobre esta temática. É essa lacuna que agora venho preencher (enquanto o não faço de forma mais académica) com a edição destes posts ..

 
   ( Este post já vai demasiadamente longo. Fica para um próximo acrescentar algo sobre os desenvolvimentos e aplicações. Até breve)

 

 

publicado por Transdisciplinar às 16:14
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.links

.tags

. todas as tags

.favorito

. [32] CULTURA COMBINATÓRI...

. [30] Conhecimento

. Ainda sobre o Dharma (2)

. Ainda sobre o Dharma

. Citando...

. FRAGMENTOS PARA UM DEBATE

. CULTURA COMBINATÓRIA (2)

. CULTURA COMBINATÓRIA (1)

.posts recentes

. Triste notícia

. {191} Sarah Vaughan

. {190} Aretha Franklin

. {189} Nina Simone

. {188} George e Ira Gershw...

. {187} Miles Davis & John ...

. {186} Fabio Biondi

. {185} Vivaldi -- Inverno

. {184} Nus em arte

. {183} Bach / Gulda

. {182} Vieira da Silva

. {181} Retorno

. {180} Billie Holiday - "S...

. {179} E, ainda, música

. {178} Herberto Helder (8...

. {177} Socorro !!

. {176} Bach / Gulda / Jazz

. {175} Thelonious Monk

. {174} Encore B & B

. {173} Stabat Mater

. {172} Continuando Gershwi...

. {171} Dos irmãos Gershwin...

. {170}....

. {169} Não há pachorra !

. {168} Gershwin

. {167} Brel e Béjart

. {166} Novamente "À balda"...

. {165} Edgar Morin e a com...

. {164} India Song

. {163} Dois temas

. {162} Ne me quitte pas

. {161} Eugénio de Andrade ...

. {160} Herberto Helder (7...

. {159}A propósito da morte...

. {158} Zeca Afonso

. {157} General Delgado

. {156} Ballet (2)

. {155} Ballet (1)

. {154} Herberto Helder (6...

. {153} Relembrando "Casabl...

. {152} Camané

. {151} "Clair de Lune"

. {150} "I've Got Rhythm"

. {149} Luiza Neto Jorge

. {148} Dharma (11)

. {147} Caetano canta Amáli...

. {146} Ella Fitzgerald

. {145} Dharma (10)

. {144} Jimmy Smith - 2

. {143} Jimmy Smith

blogs SAPO

.subscrever feeds