Segunda-feira, 5 de Janeiro de 2009

{178} Herberto Helder (8)

Do último livro do Herberto :

 

Herberto Helder - A faca não corta o fogo

Será que Deus não consegue compreender a linguagem dos artesãos?

Nem música nem cantaria.

Foi-se ver no livro: de um certo ponto de vista de:

terror sentido beleza

acontecera sempre o mesmo - quebram-se os selos aparecem

os prodígios

a puta escarlate ao meio dos cornos da besta

máquinas fatais, abismos, multiplicação de luas

- o inferno! alguém disse: afastem de mim a inocência

eu falo o idioma demoníaco.

Há imagens que se percebem: a do leão às escuras bebendo água

gelada, a imagem de uma pessoa com a mão gloriosa nas chamas

não pára de gritar mas não tira a mão do fogo

compreende-se? como se compreende?

é uma espécie de força absoluta. Há quem pinte cavaleiros luminosos

montados em cavalos azuis. Vão para a guerra, vão matar,

roubar, violar, Deus olha.

Sangue. Quais os problemas? Vermelho e azul, distribuição de formas, a beleza

e os seus segredos - o número, a razão do número

que tudo seja perfeito em coral e cobalto.

O caos nunca impediu nada, foi sempre um alimento inebriante.

O homem não é uma criatura entre mal e bem: falava-se com Deus

porque Deus era potência, Deus era unidade rítmica.

A mão sobre as coisas - cada coisa tem a sua aura, cada animal tem

a sua aura, como se pastoreiam as auras!

em transe: eu sou a coisa. Acabou.

Sento-me a conversar com Deus: palavra, música, martelo

uma equação: conversa de ida e volta.

Depois há gente que fala entre si, depouis é o medo, depois é o delírio.

Escuta a breve canção dentro de ti. Que diz ela?

Não move as coisas com as suas auras, nem tu nem a tua canção

pertencem ao mundo cheio, alma que sopra.

Nada se liga entre si, Deus não se debruça  na canção; destroça

a cadência

- o demoníaco. Já não se vê um degrau

arrancar de outro degrau pelas lentas escadarias de mármore ao fundo.

A canção abandonou o seu espaço contínuo,

Que se pode fazer? - Apenas um encontro de objectos; um degrau, outro e outro degraus onde ninguém assenta o pé

e depois o outro pé - por onde se não sobe para assistir ao braço que torcendo

laçasse o corpo num umbigo incandescente, por onde ninguém

sobe para sentar-se ao órgão

e discutir em música as proporções? Aquele que disse:

eu tenho a temperatura de Deus - era um louco meteorológico.

Mas se afinal se entende que numa resposta

se oculta uma pergunta do mundo, mas

se afinal a substância

de alguém que pôs a mão no fogo é igual à substância do fogo

enquanto grita. A substância de um homem e de uma estrela; a mesma.

O poder de criar a canção, isso.

Bato na rosácea com o martelo

o rosto onde bate a rosácea roda voltado para cima -

publicado por Transdisciplinar às 04:05
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Terça-feira, 16 de Dezembro de 2008

{160} Herberto Helder (7)

EM SILÊNCIO DESCOBRI ESSA CIDADE NO MAPA

 


Em silêncio descobri essa cidade no mapa
a toda a velocidade: gota
sombria. Descobri as poeiras que batiam
como peixes no sangue.
A toda a velocidade, em silêncio, no mapa -
como se descobre uma letra
de outra cor no meio das folhas,
estremecendo nos olmos, em silêncio. Gota
sombria num girassol -
essa letra, essa cidade em silêncio,
batendo como sangue.

 

Era a minha cidade ao norte do mapa,
numa velocidade chamada
mundo sombrio. Seus peixes estremeciam
como letras no alto das folhas,
poeiras de outra cor: girassol que se descobre
como uma gota no mundo.
Descobri essa cidade, aplainando tábuas
lentas como rosas vigiadas
pelas letras dos espinhos. Era em silêncio
como uma gota
de seiva lenta numa tábua aplainada.

 

Descobri que tinha asas como uma pêra
que desce. E a essa velocidade
voava para mim aquela cidade do mapa.
Eu batia como os peixes batendo
dentro do sangue - peixes
em silêncio, cheios de folhas. Eu escrevia,
aplainando na tábua
todo o meu silêncio. E a seiva
sombria vinha escorrendo do mapa
desse girassol, no mapa
do mundo. Na sombra do sangue, estremecendo
como as letras nas folhas
de outra cor.


Cidade que aperto, batendo as asas - ela -
no ar do mapa. E que aperto
contra quando, estremecendo em mim com folhas,
escrevo no mundo.
Que aperto com o amor sombrio contra
mim: peixes de grande velocidade,
letra monumental descoberta entre poeiras.
E que eu amo lentamente até ao fim
da tábua por onde escorre
em silêncio aplainado noutra cor:
como uma pêra voando,
um girassol do mundo.
 
(Descaradamente copiei o poema e a imagem de um blog de que deixo aqui o link.)

publicado por Transdisciplinar às 11:40
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Terça-feira, 9 de Dezembro de 2008

{154} Herberto Helder (6)

 

Volto ao Herberto Helder (de que tenho pubicado sobretudo versões francesas, tiradas das edições bilingues que encomendei em França, com traduções que , até aqui, me parecem boas)

 

 

Sobre um Poema

 

Um poema cresce inseguramente
na confusão da carne,
sobe ainda sem palavras, só ferocidade e gosto,
talvez como sangue
ou sombra de sangue pelos canais do ser.

Fora existe o mundo. Fora, a esplêndida violência
ou os bagos de uva de onde nascem
as raízes minúsculas do sol.
Fora, os corpos genuínos e inalteráveis
do nosso amor,
os rios, a grande paz exterior das coisas,
as folhas dormindo o silêncio,
as sementes à beira do vento,
- a hora teatral da posse.
E o poema cresce tomando tudo em seu regaço.

E já nenhum poder destrói o poema.
Insustentável, único,
invade as órbitas, a face amorfa das paredes,
a miséria dos minutos,
a força sustida das coisas,
a redonda e livre harmonia do mundo.

- Em baixo o instrumento perplexo ignora
a espinha do mistério.
- E o poema faz-se contra o tempo e a carne.


 

publicado por Transdisciplinar às 15:43
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 25 de Novembro de 2008

{140} Herberto Helder (5)

"Há cidades cor de pedra" :

 

Há cidades cor de pérola onde as mulheres
existem velozmente. Onde
às vezes param, e são morosas
por dentro. Há cidades absolutas,
trabalhadas interiormente pelo pensamento
das mulheres.
Lugares límpidos e depois nocturnos,
vistos ao alto como um fogo antigo,
ou como um fogo juvenil.
Vistos fixamente abaixados nas águas
celestes.
Há lugares de um esplendor virgem,
com mulheres puras cujas mãos
estremecem. Mulheres que imaginam
num supremo silêncio, elevando-se
sobre as pancadas da minha arte interior.

Há cidades esquecidas pelas semanas fora.
Emoções onde vivo sem orelhas
nem dedos. Onde consumo
uma amizade bárbara. Um amor
levitante. Zona
que se refere aos meus dons desconhecidos.
Há fervorosas e leves cidades sob os arcos
pensadores. Para que algumas mulheres
sejam cândidas. Para que alguém
bata em mim no alto da noite e me diga
o terror de semanas desaparecidas.
Eu durmo no ar dessas cidades femininas
cujos espinhos e sangues me inspiram
o fundo da vida.
Nelas queimo o mês que me pertence.
o minha loucura, escada
sobre escada.

MuIheres que eu amo com um des-
espero fulminante, a quem beijo os pés
supostos entre pensamento e movimento.
Cujo nome belo e sufocante digo com terror,
com alegria. Em que toco levemente
Imente a boca brutal.
Há mulheres que colocam cidades doces
e formidáveis no espaço, dentro
de ténues pérolas.
Que racham a luz de alto a baixo
e criam uma insondável ilusão.

Dentro de minha idade, desde
a treva, de crime em crime - espero
a felicidade de loucas delicadas
mulheres.
Uma cidade voltada para dentro
do génio, aberta como uma boca
em cima do som.
Com estrelas secas.
Parada.

Subo as mulheres aos degraus.
Seus pedregulhos perante Deus.
É a vida futura tocando o sangue
de um amargo delírio.
Olho de cima a beleza genial
de sua cabeça
ardente: - E as altas cidades desenvolvem-se
no meu pensamento quente.

 

Herberto Helder
Lugar
Poesia Toda
Assírio & Alvim
1979


Imagem por American Modernist School,
“Woman Surrounded by Buildings”,

publicado por Transdisciplinar às 08:17
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Terça-feira, 4 de Novembro de 2008

{127] Herberto Helder (4)

O som do post anterior desapareceu e creio que de vez porque nem no IMEEM, de onde o copiei, se consegue ouvi-lo.

O poema é demasiadamente longo para o transcrever aqui. De modo que resta-me remeter o leitor para a obra onde o pode encontrar :

 

Herberto Helder -- Poesia Toda -- "Poemacto I I "

  

Afinal consegui ouvir o som quando, por acaso, fui aos "comentários". E depois consegui ouvi-lo de novo no próprio post.

Deixo-vos a dica. Tentem, se quiserem, de uma ou outra forma. Pelo sim pelo não, deixo ficar este post.

Atenção a quem quiser ouvir : são (6 : 04).

publicado por Transdisciplinar às 16:25
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Segunda-feira, 3 de Novembro de 2008

{126} Herberto Helder (3)

 Ao procurar imagens do Herberto no Google, encontrei este "flash" que se segue. Deu-me um trabalhão descobrir (santa ignorância...) como "metê-lo" no post, mas lá consegui (embora mal -- não ficou como eu queria).  É precioso, porque a voz é do próprio Herberto. Quanto à música é de Rodrigo Leão e o título do album de que faz parte é Os Poetas -- Entre Nós e as Palavras .

 

 

                                                  

 

sinto-me: Esgotado
publicado por Transdisciplinar às 20:27
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 30 de Outubro de 2008

{122} Herberto Helder (2)

Conforme prometido continuo :

 

 

 

 

Em cada mulher existe uma morte silenciosa. 

E enquanto o dorso imagina, sob os dedos,

os bordões da melodia,

a morte sobe pelos dedos, navega o sangue,

desfaz-se em embriaguês dentro do coração faminto.

-- Oh cabra no vento e na urze, mulher nua sob

as mãos, mulher de ventre escarlate onde o sal põe o espírito,

mulher de pés no branco, transportadora

da morte e da alegria.

 

Dai-me uma mulher tão nova como a resina

e o cheiro da terra.

Com uma flecha em meu flanco, cantarei.

E enquanto manar de minha carne uma videira de sangue,

cantarei seu sorriso ardendo,

suas mamas de pura substância,

a curva quente dos cabelos.

Beberei sua boca, para depois cantar a morte

e a alegria da morte.

 

Dai-me um torso dobrado pela música, um ligeiro

pescoço de planta,

onde uma chama comece a florir o espírito.

À tona da sua face se moverão as águas,

dentro da sua face estará a pedra da noite.

-- Então cantarei a exaltante alegria da morte.

 

 


                                                            ¶

publicado por Transdisciplinar às 17:55
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|
Quarta-feira, 29 de Outubro de 2008

{121} Herberto Helder

Senti que não é justo "dar" o secreto Herberto Helder aos meus leitores franceses e não o fazer aqui. Ainda não tenho o livro recentemente publicado. Mas a tradução que comprei é uma edição bilingue. Assim não tenho que ir procurar no Poesia Toda e posso pôr neste blog o mesmo que ponho no francês. Vou, pois, transcrever um dos poemas dum livro que se chama O Amor em Visita.

 

 

Dai-me uma jovem mulher com sua harpa de sombra

e seu arbusto de sangue. Com ela

encantarei a noite.

Dai-me uma folha viva de erva, uma mulher.

Seus ombros beijarei, a pedra pequena

do sorriso de um momento.

Mulher quase incriada, mas com a gravidade

de dois seios, com o peso lúbrico e triste

da boca. Seus ombros beijarei.

 

Cantar ? Longamente cantar.

Uma mulher com quem beber e morrer.

Quando fora se abrir o instinto da noite e uma ave

o atravessar trespassada por um grito marítimo

e o pão for invadido pelas ondas --

seu corpo arderá mansamente sob os meus olhos palpitantes.

Ele -- imagem vertiginosa e alta de um certo pensamento

de alegria e de impudor.

Seu corpo arderá por mim

sobre um lençol mordido por flores com água.

 

Por hoje ficamos por aqui. Amanhã haverá mais, que o livro dá pano para mangas.

sinto-me: Reconfortado
publicado por Transdisciplinar às 20:12
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|

.mais sobre mim

.Copyright

.Visitas

.pesquisar

 

.links

.tags

. todas as tags

.favorito

. [32] CULTURA COMBINATÓRI...

. [30] Conhecimento

. Ainda sobre o Dharma (2)

. Ainda sobre o Dharma

. Citando...

. FRAGMENTOS PARA UM DEBATE

. CULTURA COMBINATÓRIA (2)

. CULTURA COMBINATÓRIA (1)

.posts recentes

. {178} Herberto Helder (8...

. {160} Herberto Helder (7...

. {154} Herberto Helder (6...

. {140} Herberto Helder (...

. {127] Herberto Helder (4...

. {126} Herberto Helder (3...

. {122} Herberto Helder (2...

. {121} Herberto Helder

blogs SAPO

.subscrever feeds